Blog Paraná Steel

Mantenha-se atualizado

30/11/2019

Drywall: Derrubando mitos

Já mostramos que o sistema de Drywall se adequa a várias funcionalidades, estruturas e ambientes. A economia na sua utilização também já foi provada. Vamos desvendar agora os mitos que ainda fazem com que essa opção ainda não seja escolhida.

O peso reduzido, o elevado desempenho acústico e o isolamento térmico por si só já garantem uma elevada vantagem do sistema Drywall sobre os sistemas tradicionais, como as paredes de alvenaria. Porém suas vantagens não param por aí: O Drywall também leva o mérito na rapidez e limpeza da montagem. Uma parede divisória para a criação de um novo ambiente em uma casa ou apartamento, por exemplo, leva de 24 à 48 horas para conclusão (já se levando em conta a instalação de portas, tomadas e interruptores), além de permitir soluções criativas muito mais facilmente, como uso de curvas, recortes para iluminação embutida e sancas. E assim como o Steel Frame, possui pouco desperdício de material e custos não programados. O Drywall leva vantagem até mesmo no controle de insetos e fungos, uma vez que sua construção é seca, limpa e seus próprios elementos não são atrativos para insetos e cupins.

Ainda não convencemos? Calma, as vantagens ainda não acabaram:

  • Durabilidade, esta que é indeterminada, porém, cabe lembrar que para que esteja disponível no mercado, o sistema drywall foi aprovado em testes de impacto e desempenho, cumprindo as exigências da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);
  • Facilidade de instalações elétricas/hidráulicas, já que na ocorrência de algum problema, o acesso é feito sem maiores dificuldades para os devidos reparo, sem necessidade de quebrar paredes já feitas;
  • Flexibilidade Arquitetônica, uma vez que esse material permite alterações na planta sem grandes problemas;
  • Isolamento acústico, pois com a colocação de lã mineral no espaço interno das paredes, forros ou revestimentos em drywall, o isolamento acústico é ampliado, já que a lã mineral age como uma barreira que amortece e limita a transmissão de ondas sonoras. Proporciona ainda, conforto térmico, que evita o desperdício de calor e ao mesmo tempo a isolação acústica, bloqueando a passagem do som;
  • Sustentável, por ser um material de base papel e gesso, o Drywall permite uma série de facilidades em se tratando de reciclagem e reutilização sustentável. Seus resíduos são 100% recicláveis, o que facilita a sua reutilização de diversas formas, inclusive reaproveitando o gesso para a obtenção de novos Drywall. E mais recentemente, foi descoberto que o Drywall esmagado é muito útil como condicionador de solos, já que fornece cálcio e enxofre, possuindo também um alto teor de sal, que torna o solo mais apto para o crescimento e desenvolvimento de culturas como batata, milho e amendoim.
  • Custos, uma vez que possui instalação rápida e fácil, diminui-se consideravelmente o tempo de execução do drywall em relação à alvenaria, além da alta qualidade do acabamento. Como o sistema pode ser facilmente quantificado a partir do projeto, tem-se um uso mais racional do material, evitando o desperdício e gastos extras. A execução é muito limpa e gera custos significativamente menores de remoção de entulho. Enquanto a alvenaria produz cerca de 20% de resíduos de obra, o Drywall produz apenas 5% e seus resíduos são 100% recicláveis como citado anteriormente;

Pelos pontos apresentados, o sistema de Drywall vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil. Com a ajuda e o avanço da tecnologia, vem adentrando e se destacando no mercado da construção civil; também vem alavancando a sua fatia expressiva de aproximadamente 18 milhões de metros quadrados por ano de demanda, baseado em fontes gerais e obras realizadas, crescendo expressivamente. Que tal seu próximo negócio fazer parte dessa estatística?

Normas técnicas relacionadas ao projeto e execução de Drywall: 

A Associação Brasileira de Normas Técnicas disciplina, por meio de normas, tanto os insumos utilizados na execução do drywall, como na etapa de projetos.

  • NBR 15758-1/2009 – Sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall – Projeto e procedimentos executivos para montagem – Parte 1: Requisitos para sistemas usados como paredes.
  • NBR 15758-2/2009 – Sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall – Projeto e procedimentos executivos para montagem – Parte 2: Requisitos para sistemas usados como forros.
  • NBR 15758-3/2009 – Sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall – Projeto e procedimentos executivos para montagem – Parte 3: Requisitos para sistemas usados como revestimentos.
Tire suas dúvidas
Precisa de ajuda?